AMIMT

Amimt

32 ª jornada da AMIMT

Um olhar da medicina do trabalho sobre a aposentadoria

Com tema atual e desafiador, a AMIMT realizou a 32ª edição de sua jornada. De 25 a 27 de outubro, o evento reuniu especialistas e interessados na área da medicina do trabalho para debater o “Envelhecimento da população trabalhadora e o papel do médico do trabalho”.

Foram três cursos, um fórum, nove conferências, três mesas-redondas, uma sessão talk-show e uma exposição de trabalhos científicos. No site da instituição, na aba Palavra da Presidente, Dra. Walneia Cristina Moreira já resumia como seria o encontro. “A diretoria da AMIMT se dedicou a apresentar uma jornada que agradasse aos participantes em todos os detalhes. Os temas para as palestras e mesas redondas foram cuidadosamente escolhidos, para que pudéssemos trazer informações e provocar discussões.”

Em sua 20ª participação, Dr. Willes de Oliveira e Souza, conselheiro fiscal e ex-presidente da AMIMT, destacou o objetivo que tem guiado o evento desde a sua primeira edição. “Todo ano a AMIMT procura sentir qual a necessidade do seu associado, para que ele possa melhorar a sua prática”.  Nesse sentido, a cada ano uma comissão escolhe o tema que considera importante debater naquele momento e o define como mote para toda a jornada, sempre com o intuito de facilitar a vida do associado e do médico do trabalho em geral.

O envelhecimento da população trabalhadora

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2018 apontam que até o ano em 2060 mais de um quarto da população (25,5%) terá mais de 65 anos.  Neste mesmo período, para cada 100 pessoas em idade de trabalhar (15 a 64 anos), 67,2 estarão com idade menor que 15 anos ou acima dos 65.

Dra. Walneia explica que essas informações ressaltam a importância do debate sobre o envelhecimento da população no país.  “É um tema muito pertinente, afinal está ocorrendo um aumento da população trabalhadora acima dos 50 anos. E isso se deve ao aumento da expectativa de vida e às mudanças nas regras de aposentadoria, que têm levado as pessoas a trabalharem mais. O que a gente propôs com essa jornada foi um despertar sobre o assunto e, com isso, pensar em ações para que o trabalhador envelheça de forma saudável.”

Abordando a saúde dos próprios profissionais médicos, na palestra “O médico se aposenta?”, a Dra. Jaqueline Azan, assessora da AMIMT, destacou a importância dos encontros e a necessidade de os profissionais da área debaterem o tema.  “É sempre bom todos os colegas se encontrarem, porque conseguimos trocar informações e experiências. Principalmente no cenário atual, em que todos nós estamos envelhecendo. A expectativa de vida aumentou demais e a aposentadoria está cada vez mais longe. Temos que debater isso com o trabalhador e a forma como iremos cuidar dele”.

O papel do médico do trabalho

 O contexto nacional foi abordado pelo Dr. René Mendes, ex-presidente da ANAMT, que salientou a importância da participação do médico do trabalho nos debates sobre a saúde no país. “Há uma grande inquietude nos nossos corações e nos nossos meios sociais e políticos em relação ao futuro do país. E nessas preocupações se insere também a saúde. Nesse contexto, reunir médicos e outros profissionais que também participam da jornada é um desafio e uma oportunidade. O processo de envelhecimento impacta os trabalhadores e os próprios médicos do trabalho”.

Destacou-se entre as discussões que o médico do trabalho tem um papel fundamental para que se encontrem novos caminhos nesse novo cenário.  Dra. Cláudia Chiavegatto, pesquisadora da UFMG, reforçou que esses encontros são fundamentais para dialogar sobre temas da atualidade. “É preciso que pensemos nessa população que está vindo aí, que nos antecipemos e apontemos soluções para manter e promover a saúde desses trabalhadores que estão envelhecendo.” Ela ainda detalhou a importância e os diferenciais da jornada. “É um momento privilegiado, em que podemos encontrar médicos do trabalho das mais diferentes áreas e segmentos. É realmente importante e fundamental essa troca de experiências.”

Cabe ainda ressaltar a importância do público presente nas discussões, entre palestrantes, plateia e parceiros. Marcela Braga, advogada do Sindicato dos Médicos do Estado de Minas Gerais (Sinmed/MG), que abordou as “Exigências legais para aposentadoria”, destacou o relacionamento com a AMIMT na busca de soluções para questões que envolvem a área. “É um prazer compartilhar informações, especialmente sobre um assunto de grande relevância como a aposentadoria. A parceria entre os Sinmed e a AMIMT fortalece um objetivo comum: o desenvolvimento dos profissionais e da categoria como um todo e, principalmente, as garantias de seus direitos.”

Público

 Tradicional no calendário da medicina no estado, a jornada reúne os diversos setores da medicina do trabalho e tem como um de seus principais resultados o fomento ao mercado. Rafael Calixto, médico pós-graduado em medicina do trabalho, que participou pela terceira vez, comentou de que forma o evento contribui para o seu crescimento profissional.  “Eu acho de suma importância, porque a AMIMT é a associação que representa os médicos do trabalho no estado. O que é discutido aqui tem valor não só para Minas Gerais, mas, como o estado é uma referência na medicina do trabalho, nacionalmente também é válido.“

O evento cumpre também o papel de direcionar aqueles que se interessam pela área e buscam se atualizar sobre os desafios da atualidade. João Victor Simões, estudante do 7º período da Faculdade de Medicina da UFMG, relatou as novidades e descobertas a que teve acesso com a sua participação. “Agora tenho uma visão do mercado de trabalho de dentro, tanto do ponto de vista da profissão quanto das condições de saúde do trabalhador. Passei a ver com outros olhos como é a área.”

Assista à reportagem gravada durante o evento.